segunda-feira, 23 de maio de 2011

Centenas de jovens transformaram a praça de Lisboa num comício permanente contra a troika

Foi o espírito das praças públicas da Grécia antiga, as ágoras, que se viveu ao longo do fim-de-semana no Rossio, em Lisboa, onde centenas de pessoas se reuniram com o movimento 12 de Março, responsável pela manifestação da chamada geração à rasca e em solidariedade com os espanhóis que estão acampados na rua em Madrid e Barcelona, exigindo melhores condições de vida.

Raquel explica então o objectivo: "antes de pagarmos a dívida externa temos de saber que parte é nossa e que parte é dívida odiosa, causada pela especulação, e para isso temos de fazer uma auditoria". Esta acção, sustentou Raquel Freire, é a primeira de muitas que até 25 de Junho querem "alertar os portugueses para a cidadania", sublinhando que Portugal deve seguir o exemplo "da mais velha democracia do mundo, a Islândia, e pedir uma auditoria da dívida". A activista acredita que "já chega" e que desde o 25 de Abril de 1974 que Portugal "acumula uma dívida que não se sabe de onde vem". Por isso mesmo, este movimento resolveu "vir para a rua, onde também se exerce a cidadania e não apenas nos palácios", sustenta Raquel, lamentando o silêncio em volta da questão da renegociação.

As centenas de pessoas que participam nesta campanha de sensibilização querem que seja feita, pelo Tribunal de Contas e uma comissão independente de portugueses eleitos, uma auditoria à dívida, "à semelhança do que foi feito na Islândia, que tem sido um exemplo para toda a Europa", explica Raquel Freire, que acrescenta que a presença de tantas pessoas durante o fim-de-semana, mostra que a mobilização no Rossio está a crescer.

A ideia faz parte das propostas eleitorais do Bloco de Esquerda e do PCP, mas Raquel Freire defende que esta iniciativa é dos cidadãos. "Quando os mecanismos democráticos não funcionam, cabe ao povo fazê-lo, para que exista justiça social", sustenta, sublinhando que "Portugal tem de questionar a democraticidade e a legitimidade da dívida". A activista rejeita que o objectivo seja "não pagar" e reconhece que a ideia pode parecer confusa e não está a ser bem explicada. "Por isso mesmo existe esta campanha", na rua até 25 de Junho.
Enviar um comentário