quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Aristides Sousa Mendes homenageado no Senado de Nova Iorque

O Senado de Nova Iorque homenageou na segunda-feira Aristides Sousa Mendes, ex-cônsul de Portugal em Bordéus durante a II Guerra Mundial que salvou milhares de pessoas da perseguição nazi.

«A Aristides Sousa Mendes é reconhecido o salvamento de cerca de 30 mil pessoas em 1940, quando (…) ignorou e desafiou as ordens do seu próprio governo parar assegurar a segurança de refugiados que escapavam às forças militares alemãs», refere a resolução aprovada pela câmara alta da assembleia estadual nova-iorquina, por iniciativa do senador luso-americano Jack Martins.

«Inspirado em parte pela sua amizade com o rabi Chaim Kruger, Sousa Mendes deliberadamente desobedeceu às ordens para não atribuir vistos a estrangeiros de nacionalidade indefinida ou contestada (…) ou judeus expulsos dos seus países de origem».

Sousa Mendes terá atribuído 30 mil vistos, não só a judeus, mas também a dissidentes políticos, oficiais de países ocupados e membros do clero, como padres e freiras.

A resolução foi apresentada a propósito da inauguração de uma exposição sobre o ex-cônsul nos arredores de Nova Iorque e do estabelecimento da Fundação Aristides Sousa Mendes nos Estados Unidos, segundo disse à Lusa o senador luso-americano.

«É a oportunidade de poder reconhecer um grande líder da história portuguesa, alguém que, pela sua coragem, pelo seu carácter, teve oportunidade de influenciar centenas de milhar de pessoas, e de forma real mudar a História, não só da Europa, mas mundial».

«Falamos sempre no Vasco da Gama, Infante Dom Henrique ou reis, mas temos também um Aristides Sousa Mendes que na altura certa teve a coragem de fazer o que tinha a fazer e de afectar o mundo de uma maneira especial», disse à Lusa.

A exposição sobre Sousa Mendes foi inaugurada no domingo no Holocaust Memorial and Tolerance Center of Nassau County, coincidindo com a atribuição do estatuto de organização sem fins lucrativos à Fundação criada em Setembro de 2010.

A Fundação está já a recolher fundos para o projeto da Casa do Passal, residência da família Sousa Mendes em Cabanas de Viriato (Viseu) que se encontra em ruínas, que inclui um Museu e um Centro de Estudos.

Outra parte da missão é fazer uma listagem completa de todos os que foram directa ou indirectamente beneficiados pelos vistos portugueses, e seus descendentes, cujo número pode rondar as centenas de milhar, embora a maioria não conheça sequer o benfeitor.
IOL
MAIS


Enviar um comentário