domingo, 9 de maio de 2010

Relógio

Porque rodas tu relógio

Como se quisesses voltar

Numa corrida louca

Sempre ao mesmo lugar?


E porque não páras tu

Em resoluta imobilidade

Quando chega sem aviso

O fim de uma idade?


Minutos que desgastas

Em certezas de chegar

E nem um ousa sequer


Em revolta espectacular

Rodar contra o destino

Dessa vida que arrastas.

Beja, 18.11.2009
 
leonelauxiliar.blogspot.com
Enviar um comentário